Palmas-TO, 25 de setembro de 2020

WebMail

#Fapto16anos: Uma história de sucesso no gerenciamento de projetos e programas

Atualizado em: 23/06/2020 16h42

Com transparência na gestão, a Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (Fapto) vem proporcionando agilidade nos processos de implementação de projetos de pesquisa e extensão das instituições de ensino e de apoio a pesquisa no Estado do Tocantins.

Criada em junho de 2004, por iniciativa de alguns docentes motivados pelo espírito de criação e em busca da viabilização de suas pesquisas, a Fapto foi inserida no chamado Terceiro Setor, sendo uma sociedade organizada para ajudar a preencher a lacuna existente entre o governo e a iniciativa privada. Hoje, o número de ações e projetos desenvolvidos pela Fundação traduzem o crescimento e a confiança dos parceiros na instituição.

Professor Zezuca Pereira da Silva, que foi primeiro diretor executivo da Fapto conta como tudo foi construído para a implantação da Fundação. "Precisamente no início de 2004 começamos a discussão com o segmento docente da Universidade Federal do Tocantins (UFT), visando a criação da sua Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão, o que se deu no decorrer do primeiro semestre daquele ano. Com o apoio técnico e financeiro de 53 professores da UFT, o Estatuto da referida Fundação foi aprovado, sendo que no final de junho de 2004 foram adotados todos os procedimentos, que viabilizaram a criação e o devido funcionamento da Fapto”, lembra ressaltando a satisfação e orgulho de ter feito parte deste movimento para consolidação da instituição.

No decorrer da sua história, a Fapto inovou e ajudou a implementar projetos pioneiros no Tocantins, a exemplo o Centro de Idiomas da UFT, que é viabilizado graças ao apoio da Fapto. A coordenadora do Centro de Idiomas da UFT, Thelma Lage, observa que a Fundação se apresentou como uma alternativa singular para a agilidade operacional do projeto, suprimindo os entraves que a UFT, como grande parte das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), estão submetidas. Ainda de acordo com Thelma, a Fundação sempre desempenhou papel preponderante na consolidação, permanência e fortalecimento do Projeto do Centro de Idiomas UFT enquanto projeto de pesquisa e extensão da Universidade. “A Fapto possui papel extremamente relevante propiciando à UFT a transposição dos obstáculos impostos e assim adequada e importante contribuição, de forma efetiva e devidamente regulamentada, para a transformação e desenvolvimento da sociedade tocantinense”, relata.

Outro iniciativa extremamente relevante para educação inclusiva é o Projeto
Transtorno do Espectro Autista no âmbito das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TEA – TDIC) que promove a qualificação e o aprofundamento teórico-prático dos professores-alunos, fornecendo instrumentos para a atuação destes junto aos alunos diagnosticados ou com suspeita diagnóstica de autismo, bem como para a sua atuação junto a familiares e instituições educacionais.

O coordenador do Projeto Transtorno do Espectro Autista no âmbito das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TEA – TDIC), professor doutor George França, considera a Fapto um importante instrumento de consolidação dos projetos de extensão e pesquisa no Estado do Tocantins. “Por meio desta fundação, as ações podem chegar em diferentes regiões, atendendo os seus propósitos institucionais” avalia.

A Universidade da Maturidade (UMA) oferecido pela UFT em parceria com a Fapto é outro projeto que vem há 15 anos promovendo qualidade de vida no processo de envelhecimento humano. Atualmente é desenvolvido em oito cidades do Estado do Tocantins: Palmas, Araguaína, Tocantinópolis, Miracema e Região, Porto Nacional, Gurupi, Brejinho de Nazaré e Arraias, também em Campina Grande-Paraíba. Além da Universidade Federal do Paraná e Universidade do Amapá. “Com proposta pedagógica inovadora, o programa propõe a melhoria da qualidade de vida dos idosos, a partir de uma educação centrada nos eixos da cultura, saúde e lazer na maturidade. A UMA é um projeto desenvolvido há muitos anos no Estado do Tocantins e já demonstrou sua relevância na vida do idoso a partir de uma metodologia que tem como foco o envelhecimento ativo”, observa o coordenador nacional da UMA, Luiz Sinésio Neto, ressaltando a relevância da parceria com a Fapto na execução das atividades da Universidade.