Palmas-TO, 24 de novembro de 2020

WebMail

Palmas 31 anos: Fapto cresce lado a lado da Capital do Tocantins

Atualizado em: 20/05/2020 10h03

A Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (Fapto) tem sua sede na capital do Tocantins, Palmas, situada na região norte e no centro do Brasil. Com 16 anos de existência a Fundação tem crescido e se desenvolvido juntamente com a mais nova Capital do país, que neste próximo dia 20 de maio, completa mais um ano, chegando aos 31 anos.

Em parte desses anos de existência da cidade, a Fapto vem contribuindo no desenvolvimento de projetos de pesquisa, extensão e prestação de serviços nas instituições de ensino superior do Estado, proporcionando agilidade nos processos.

Criada em 2004 por iniciativa de alguns docentes motivados pelo espírito de criação e desejo da viabilização de suas pesquisas, a Fapto hoje traduz nos números de projetos implementados, um momento de mudança de organização na forma de estimular a pesquisa, a ciência e a inovação. “Através da união de um grupo de docentes da Universidade Federal do Tocantins , a Fapto foi criada e instalada na Capital. Seguindo lado a lado com a modernidade e a segurança que Palmas traz aos seus moradores, a instituição segue também na sua trajetória, com forte comprometimento com a região em que se insere, buscando diariamente novas formas de apoiar a sociedade como um todo”, revela o diretor executivo Léo Araújo.

Para o diretor, a história da instituição se confunde com a evolução da educação, ciência e tecnologia nos últimos anos no Tocantins, já que a Fundação ajudou a realizar e consolidar estudos, projetos e pesquisas importantes em Palmas, tendo contribuído para o estabelecimento de novos conceitos de qualidade de vida: a exemplo a formação de idosos através do Programa da Universidade da Maturidade (UMA), oferecida pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). “Com uma proposta pedagógica, voltada à melhoria da qualidade de vida da pessoa adulta e dos idosos, a UMA tem integrado todos os anos centenas de alunos da terceira idade no programa de graduação. Envolvendo estes alunos em atividades de ensino, educação física, culturais e sociais”, destacou Araújo.